19 APR 17

FLB-AP e Friedrich Ebert projetam parceria para estimular debates e intercâmbios

Para Manoel Dias, as reformas do governo Temer e a fragilidade da democracia brasileira são temas prioritários

*Por Bruno Ribeiro

Brasília, 19/4/2017 – As fundações Leonel Brizola – Alberto Pasqualini (FLP-AP), do Brasil, e Friedrich Ebert (FES), da Alemanha, iniciaram tratativas para formalizar o projeto de cooperação entre as instituições em âmbito internacional. A proposta foi analisada em uma reunião promovida hoje (19), em Brasília, entre o presidente da FLP-AP e secretário-geral do PDT, Manoel Dias, e o representante da FES, Thomas Manz.

Segundo os gestores, as ações serão baseadas em temas prioritários, como as reformas trabalhista e previdenciária e a fragilidade da democracia brasileira. A parceria também considerará, a longo prazo, pautas como justiça social; qualidade e desafios da democracia participativa, incluindo as novas tecnologias da comunicação; economia sustentável a partir do desenvolvimento industrial integrado ao respeito ao meio ambiente e o social, e as relações internacionais entre as organizações do mesmo campo ideológico.

“O objetivo é integrar as fundações e propor agendas, em conjunto, para envolver a sociedade ao máximo, pois o conhecimento é a base para emancipar o povo e garantir um progresso com desenvolvimento econômico e desenvolvimento social”, indicou Manoel Dias, que estava acompanhado do secretário-adjunto nacional do partido, André Menegotto, e do secretário de Nucleação da FLP-AP e ex-presidente nacional da JSPDT, Luizinho Martins.

“Vamos fomentar esse parceria, principalmente com debates nacionais que mostrem a crueldade das reformas do governo Temer. Precisamos lutar para encontrar saídas para os problemas enfrentados no Brasil, mas sem colocar o povo como principal fiador”, completou, ao exaltar a importância do projeto de núcleos de base do PDT e a pré-candidatura do Ciro Gomes à presidente da República em um momento que a democracia brasileira está em risco.

Para Thomas Manz, o cidadão precisa analisar o debate oferecido pelas grandes mídias, pois os veículos acabam proporcionando uma expressiva influência na opinião pública. “É muito preocupante a mistura dos conceitos de justiça e vingança. Na Alemanha é impensável um ministro do Supremo fazer declarações políticas. Como ele se manifesta sobre um tema que está sendo julgado?”, indagou, ao completar: “Devemos fazer o debate que o país precisa a partir de um intercâmbio de ideias.”

Bruno Ribeiro

Secretário Nacional de Comunicação da FLB-AP.

COMENTÁRIOS