O COLUNISTA DIZ...

Henrique Matthiesen

Formado em Direito pela Faculdade de Americana - SP. Filiado ao PDT desde de 1995, foi vice-presidente da UBEs e presidente Estadual da JS-PDT. Articulista em jornais como “O Liberal em Americana”, “Diário Rio Claro”, “

O Maior Show da Terra

A maior festa popular do Brasil não é uma inversão pátria, remonta-se na Antiguidade tanto na Mesopotâmia quanto na Grécia, e em Roma.

O vernáculo Carnaval é oriundo do latim carnis levale, cuja acepção é retirar a carne. O sentido vem do jejum que deveria ser realizado durante a quaresma e do mesmo modo o domínio dos prazeres mudamos. Isso explana uma tentativa da Igreja Católica de enquadrar uma festa pagã.

No Brasil iniciou-se no Período Colonial. Uma das iniciais manifestações carnavalescas foi o entrudo, uma festa de gêneses portuguesa, que na colônia era exercitada pelos escravos. Esses saiam pelas ruas com rostos pintados, jogando farinha e bolinhas de água de cheiro nos seus pares.  O Entrudo era avaliado como uma prática impetuosa e ofensiva em razão dos ataques às pessoas, mas era bastante popular.

Com o seu desenvolvimento, o carnaval foi se tornando a principal festa popular do Brasil, gerando inclusive uma poderosa indústria, em especial no Rio de Janeiro, Bahia e Pernambuco.

O surgimento das escolas de samba no Rio de Janeiro, em especial na década de 20, como a Deixa Falar que produziria a ascendência à escola Estácio de Sá, e a Vai como Pode porvindoura Portela foram as primeiras agremiações organizadas.

Na década de 60, as escolas de samba e seus desfiles já eram uma das atividades comerciais de maior envergadura no Rio de Janeiro, gerando empregos, turismo, negócios, business e colocava o Brasil como o país do carnaval.

Com a eleição de Leonel Brizola, em 1982, como Governador do Rio de Janeiro, o extraordinário se materializa em uma visão futurística e empreendedora, de pura ousadia.

Contrariando os mais diversos interesses, em especial da Rede Globo, dona da indústria do carnaval carioca, Brizola junta duas generalidades: o arquiteto Oscar Niemeyer e o antropólogo Darcy Ribeiro que projetam e constrói o sambódromo, a “passarela do samba”.

Ícone arquitetônico fruto do mais fecundo talento, a Marquês de Sapucaí, posteriormente, Passarela Professor Darcy Ribeiro presenciou os maiores espetáculos da terra.

Os talentos brasileiros e a cultura pátria passaram, nestes anos, na passarela do samba. No ano de sua inauguração a Estação Primeira de Mangueira cantou Yes Nós Temos Braguinha, e foi no balance- balancê que a Mangueira conquistou o primeiro carnaval do sambódromo.

Mas o grande título produzido pela passarela do samba foi a construção de 400 salas de aulas embaixo das arquibancadas, onde funcionava mais uma das unidades do CIEPs .

Campeã do mesmo modo foi a concretização de um espaço definitivo para abrigar o maior Show da terra.

E campeões foram Leonel Brizola, Oscar Niemeyer e Darcy Ribeiro que ousaram e não se renderam a visão pequena e medíocre da Rede Globo que foi contra a edificação da passarela do samba.

O povo Brasileiro hoje aplaude os desfiles magníficos das escolas de samba, e o mundo se curva ao talento brasileiro.

Como diz um dos maiores sambas enredos já cantados, Sonhar não custa nada

O meu sonho é tão real

Mergulhei nessa magia

Era tudo que eu queria

Para esse carnaval

Deixe a sua mente vagar

Não custa nada sonhar

Viajar nos braços do infinito

Onde tudo é mais bonito

Nesse mundo de ilusão

Transformar o sonho em realidade…

Recentes de Henrique Matthiesen

COMENTÁRIOS